fbpx

Cursos Lucrativos Existem?

Sempre que queremos muito aprender algo, buscamos até encontrar.

Existem muitas coisas acontecendo atualmente e que estão modificando o mercado de trabalho. Uma delas são os chamados CURSOS LIVRES.

Cursos livres (ou cursos de livre oferta) são cursos que preparam o aluno a aprender algo, sem necessariamente estar envolvido com uma certificação ou titularidade.

Segundo o MEC (Ministério de Educação e Cultura do Brasil), Cursos de livre oferta são definidos da seguinte forma:

Cursos de livre oferta

Conforme previsto no Art. 42 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), a formação inicial e continuada ou qualificação profissional podem ser ofertados como cursos de livre oferta, abertos à comunidade, com suas matrículas condicionadas à capacidade de aproveitamento da formação, e não necessariamente ao nível de escolaridade.

Tais cursos não possuem carga horária preestabelecida e podem apresentar características diversificadas em termos de preparação para o exercício profissional de algumas ocupações básicas do mundo do trabalho ou relacionadas ao exercício pessoal de atividades geradoras de trabalho e renda.

Fonte: http://portal.mec.gov.br/cursos-da-ept/formacao-inicial-e-continuada-ou-qualificacao-profissional

Você pode juntar uma turma e oferecer um curso livre com o tema que escolher
Na foto, uma palestra realizada em Caxias do Sul em 2016.

De acordo com a CNI (Confederação Nacional das Indústrias), o número de empresas que investem em tecnologias que compõe o cenário da INDÚSTRIA 4.0 passou de 63% para 73%.  (Fonte: Terra)

Isso quer dizer que a demanda por troca de conhecimento está aumentando de uma forma que o ensino tradicional NÃO CONSEGUE ALCANÇAR. 

Com suas formalidades e padrões processuais, a sequência de procedimentos criada para formalização de uma entidade educacional, gestão das equipes pedagógicas, contratação de professores, montagem de cursos e seus respectivos programas e consequente aprovação pelos órgãos reguladores, DEIXA O PROCESSO TODO MUITO LENTO

Dessa forma, muitas pessoas estão optando por fazer CURSOS LIVRES e obter seu conhecimento adicional de técnicas de forma DIRETA com profissionais que sejam reconhecidos no mercado.

Cursos livres com turmas pequenas permitem mobilidade e dinâmica ao processo educativo.

Como consequência, muitos profissionais qualificados olham para esse nicho de mercado e seu potencial para fazer CURSOS DE SAÚDE, CURSOS DE ESTÉTICA, CURSOS DE LÍNGUAS, CURSOS DE AUTOCONHECIMENTO, e toda essa atratividade produz um movimento de mercado.

PORÉM, MUITOS PROFISSIONAIS ALTAMENTE QUALIFICADOS, APRENDEM APENAS A FAZER O QUE FAZEM, NÃO A ENSINAR. E MUITO MENOS A VENDER O CURSO.

Então, o desafio passa a ser duplo:

  1. Entender qual o público alvo, qual sua demanda por aprendizagem e DESENVOLVER UM CURSO que ensine em alto nível o conhecimento desejado.
  2. Uma vez que o curso esteja pronto, VENDER – ou seja, inscrever alunos no mesmo e lotar as turmas.

 

duas peças que precisam se encaixar: fazer um BOM CURSO e VENDER

Portanto, precisamos entender uma série de coisas para que essas duas peças se encaixem perfeitamente, como por exemplo:

  • Qual é precisamente nosso público alvo por onde vamos começar
  • Qual é o conteúdo e experiência que esse público está buscando agora
  • Se esse curso pode ser aprendido na forma de curso livre
  • Se estamos prontos em termos de oratória e didática para apresentar o curso
  • Se temos uma boa apresentação do conteúdo (por ex slides powerpoint)
  • Se os alunos tem um bom material didático de apoio (por ex. apostila)
  • Se sabemos qual o melhor meio para entregar o curso (online ou presencial ou ambos)
  • Se conhecemos todos os pré-requisitos para as plataformas online
  • Se possuímos os equipamentos necessários para a boa execução dos mesmos (incluindo equipamentos de apoio para nossa técnica, em número suficiente)
  • Se sabemos como vamos ofertar esse curso no mercado
  • Se temos um plano de publicações para informar nosso público da existência do curso (website, redes sociais, mensagens via whatsapp / messenger)
  • Se sabemos como coletar testemunhos / depoimentos desses alunos para as próximas ofertas
  • E por fim, se sabemos o que fazer para as próximas edições ou os próximos cursos

BASTANTE COISA, NÃO É? Certamente que sim.

Por isso que precisamos de AJUDA para podermos fazer bem feito. Afinal qualidade no ensino é essencial para que a experiência do aluno seja a melhor possível.

Acompanhe os próximos artigos para dialogarmos mais sobre todas essas dinâmicas para os melhores resultados com seu curso.

 

Detalhe: respondo à pergunta / provocação do título do artigo com dois cases que assessorei diretamente (faça a conta)

  1. Curso presencial com 18 edições, mais de 200 alunos inscritos ao longo de 3 anos, ticket médio do curso mais de R$ 1.000, com rentabilidade mínima de 70% 
  2. Curso online, 418 alunos inscritos em 3 edições, ticket médio de R$ 162, por aluno mais investimento significativo do cliente durante 44 meses.

Se quiser saber mais, entre em contato pelo whats http://bit.ly/whatsls ou pelo formulário do site clicando aqui

Este post tem 2 comentários

  1. Muito bem observado. Um professor uma vez me disse: “Estude formal e informalmente”.
    Esta liberdade de escolha, antes característica dos chamados autodidatas, tem cada vez mais adesão das novas gerações. Não há melhor maneira de aprender do que ensinando. É importante saber identificar, entender e trabalhar para o público desejado. Parabéns pelo post.

    1. Muito obrigado Breda.
      Quando temos essa real conexão o processo de aprendizagem fica fluido e rende mais pra todos.
      Seguimos!
      Abração
      Lucas

Deixe uma resposta

Fechar Menu