Nessa série de artigos para mulheres empreendedoras, falaremos sobre os desafios de hoje em dia para alcançar resultados e viver em equilíbrio e harmonia.

Sexta-feira pós feriado. Um belo dia para não se fazer nada. E lá estava eu atendendo uma cliente nova. Área: saúde visual. Setor: varejo. Desafio do negócio: entender para onde todas aquelas iniciativas que eles fizeram no mundo digital estavam dando. Ou seja, fazer um diagnóstico da estratégia utilizada até então para ver se está contribuindo para o resultado esperado.

Com meu tablet em mãos, pego umas folhas de papel e uma caneta – para pensar com o corpo inteiro, escrevendo, comentando, questionando, criando imagens. Quando começo a explicar um tema aparentemente novo, subitamente a cliente pede para esperar um pouco e pega seu caderno de anotações. Nessa hora, meus olhos brilharam e um sorriso me preencheu o rosto.

Vou explicar porquê.

Nesse vídeo de Carol Dweck, chamado O Poder do ‘Ainda’ (traduzido para “O Poder de Acreditar que Você Pode Melhorar”). Ela fala em dois tipos de MindSet (ou Modelo Mental, forma de pensar): o FIXO e o DE CRESCIMENTO.

No MindSet Fixo, a pessoa acredita que as coisas são como são – que quem nasce com talento é que consegue, que as habilidades são fixas. Ou tem ou não tem. O comportamento normal desse Mindset é encarar as dificuldades como um LIMITE, uma BARREIRA. E desistir de mudar. Seguir do mesmo jeito de sempre. (Os outros é que tem ‘sorte’).

No MindSet de Crescimento, a pessoa acredita que as habilidades podem ser desenvolvidas, que talento é a soma de habilidades e capacidades trabalhadas ao longo do tempo. O comportamento normal desse Mindset é encarar as dificuldades como um DESAFIO. E persistir na mudança. Até obter os resultados.

Quando encontramos pessoas com MindSet FIXO, logo percebemos a tendência para desistir. Frases como ‘Não dá certo’, ‘Mas tu acha que isso funciona?’, ‘Dá muito trabalho?’, são comuns. É como um exercício para se manter no mesmo lugar.

No entanto, pessoas com MindSet DE CRESCIMENTO (como essa minha cliente), se remexem da cadeira, brilham o olho, fazem anotações, se interessam por conteúdos e dicas. As frases são ‘Como podemos fazer isso?’, ‘Se funcionou para alguém, como funcionaria para nós?, ‘Precisamos envolver mais gente nisso!’, e por aí vai. Nesse caso, o pensar gera movimento.

Então quando essa cliente, no alto da sexta-feira, sorridente, me indaga sobre como esses conhecimentos vão servir para seu negócio, eu sinto que MEU TEMPO está realmente valendo. Eu sinto que todos aqueles anos de dedicação para leituras, cursos e experiências de aprendizagem valeram a pena. Eu sinto que esse é o perfil de cliente que realmente devo focar.

      Ter tempo de não fazer nada é essencial

Agora convido você, empreendedora empresária, profissional liberal, líder do seu departamento, que está aí conduzindo projetos ideias e pessoas, a pensar:

MEU TEMPO ESTÁ REALMENTE VALENDO A PENA?

Quem estou atraindo para comprar meu(s) produto(s) ou ideia(s)?

No que estou dedicando minha ENERGIA VITAL?

Em quais projetos estou dedicando esses MINUTOS PRECIOSOS DE VIDA?

        Tá ligada no SEU tempo?

Fique à vontade para expressar-se nos comentários. Assim continuamos a conversa.

Grande abraço!

Lucas Selbach

 

Lucas Selbach é um inquieto por natureza. Business Coach, Trainer e Palestrante, provoca pessoas de várias áreas de negócio pelo Brasil, levando informações úteis e relevantes.

Este artigo também está disponível no Linkedin Pulse através desse link
https://www.linkedin.com/pulse/empreendedora-e-o-tempo-lucas-selbach

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *