Pensar em morrer é o fim da vida? Ou é o desejo de ‘terminar’ uma parte da gente da qual não gostamos? Será que o que queremos ‘matar’ é a parte ou apenas queremos resultados diferentes? Leia, comente, vamos conversar.

Nem sempre o desejo da morte é o desejo do fim, do término de tudo. A morte significa o fim de algo para o começo de outra coisa. Mesmo que na sua religião, filosofia ou tradição não haja essa chamada ‘crença na vida após a morte ‘ todos sabemos que existe uma mudança de estado. Para quem está vivendo e para quem está por perto.

Existem também outras referências, – das quais não sou especialista, mas é importante cruzar as informações-:

– no Tarot, a carta da morte geralmente significa mudança ou renascimento. Tem o número 13 (talvez por isso tanto preconceito com o 13).

– Freud dizia que no fundo, não acreditamos na nossa própria morte.

– nas Constelações Sistêmicas, os mortos simbolizam o que já foi, morrer numa constelação traz a sensação de vida nova.

– A mitologia tem inúmeras estórias sobre a morte e como ela surgiu, quase todas elas como uma trapaça, um truque da própria vida. A que mais chamou minha atenção é da mitologia chinesa, aonde Meng Po é a Senhora do Esquecimento, que dá um chá do Esquecimento para quem vai reencarnar.

E assim vai.

Então o que seria o desejo de morrer senão o desejo de ACABAR COM A FONTE DO PROBLEMA? Um desejo de ter RESULTADOS DIFERENTES? (E talvez não se achar muito / pouco ………….. para conseguir …………… – preencha as reticências com o que quiser).

Thanatos – o Deus Grego da Morte

Falo isso não de forma retórica, mas sim visceral, pois já tive esse desejo de morrer, de acabar. Daí, um terapeuta – grande amigo meu – lembrou que isso não iria resolver o âmago da questão – O RESULTADO DIFERENTE. Putz! Disse eu, meio aliviado.

Aconteceu em 2015, frente a uma sucessão de desafios que pareciam insuperáveis. Vindos de todos os lados. Afetando os resultados que eu esperava – e precisava.

E numa das conversas ele me falou sobre IR E FAZER. Ser gente grande, agir feito homem (ou mulher se for seu caso). Parar com esse ‘nhe-nhe-nhe’.

Ali foi um ponto muito importante. Percebi que aquele diálogo mais duro era para atravessar de vez a emoção e os truques mentais que me aprisionavam naquele marasmo de sofrência (como aquele estilo musical que cultua essa atitude).

Mais adiante outros sinais do mesmo sentimento e padrão mental foram ficando mais claros. Uma letargia, um cansaço, vontade zero de nada. Então vem a visão de que SOU O ÚNICO RESPONSÁVEL PELO MEU BEM ESTAR. E por mais que receba ajuda, NO FINAL O ASSUNTO É COMIGO.

Vejo nas conversas por aí que muitas vezes esse sentimento – de querer morrer – é mascarado por uma AUTO AGRESSÃO, do tipo falar mal de  si mesmo, sair se intoxicando com drogas, comida ruim, bebidas de qualidade duvidosa, relacionamentos tóxicos. Fazer isso por horas e horas (ou anos e anos) e chamar de ‘curtir a vida’.

 

Então fiz um convite a mim mesmo para ficar mais atento a isso e REALIZAR ALGUMAS COISAS BEM ÚTEIS:

. Manter a TV desligada (especialmente o noticiário), coisa que faço desde 2008. Como já disse um homem muito sábio em uma canção: ‘precisamos parar com o correio da má notícia‘.

– Ainda no mesmo tema: chega de guardar, divulgar, curtir e falar de coisa ruim, desastre, maldade, corrupção. Tudo o que damos foco cresce, então quando perceber, dirigir o assunto para outro lado e mude o rumo da prosa.

– Pedir informações e orientações de vida com QUEM ENTENDE daquele assunto – por ex., pare de dar atenção às ‘super dicas’ financeiras de seu amigo pelado que não tem dinheiro para nada. Fale com quem sabe e experimentou na carne.

– Observar os desejos auto destrutivos e aprender a balancear – por exemplo, desfrutar a parte gostosa de um bom vinho sabendo a quantidade que vai mexer com sua saúde e seu humor.

– Fazer coisas impetuosas e diferentes pelo menos algumas vezes por semana.

– Beijar quem você ama com frequência – outro assunto para ser resolvido, você sabe.

– Estar consciente que a comunicação é a parte MAIS SENSÍVEL DA HUMANIDADE, portanto é preciso CHECAR SEMPRE – às vezes re-checar.

– Pelo bem da humanidade e dos seus relacionamentos, FAZER SEXO COM FREQUÊNCIA, pois isso ajuda uma beirada. Sexo com outra pessoa que também queira, por favor. Aí serão dois andando com aquela cara boa por aí.

– Tomar cuidado com os ‘remédios ‘ principalmente aqueles que prometem alívio continuo. Usar SOMENTE O SUFICIENTE para lembrar como é respirar e abrir os olhos. Depois disso, buscar outras opções (existem muitas).

 

Para completar, arrume algo legal para fazer (não que o seu trabalho seja ilegal).

Identifique um hobby, um projeto novo (ou terminar um projeto velho e parado). Um novo cliente ou emprego, aquela viagem para sei-lá-onde ou aquela carta que você ia escrever pra alguém – ISSO PRECISA ACONTECER. Quando era menino a gente dizia ‘para de te bestiá e vai lá’.

Vai. Agora. Dê o primeiro passo pelo menos.

Bonne Chance! Que quer dizer ‘boa sorte’ em francês, ou seja, se dê essa chance, vai!.

Enquanto isso, Curta! Compartilhe! E deixe seu comentário por aqui. =)

 

Lucas Selbach, 45 anos, Business Coach e Palestrante, fala sobre negócios, internet, empreendedorismo e vida para pessoas que buscam ampliar suas perspectivas e realizar seus sonhos.

Publicado também no Linkedin 

 

Para aprofundar

https://pt.wikipedia.org/wiki/A_Morte_(tar%C3%B4)

http://www.mariahelena.pt/pages/carta-xiii-a-morte

http://psicoativo.com/2016/07/freud-explica-morte-o-que-freud-dizia-sobre-morte.html

http://www.ciencia-online.net/2015/02/10-deuses-da-morte-na-mitologia-mundial.html

Imagens: http://pixabay.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *